quinta-feira, 14 de julho de 2016

Resenhando um clássico da literatura nacional: ''O Cortiço'', de Aluísio Azevedo

Título: O Cortiço
Autor: Aluísio Azevedo
Publicação: 1890
Edição lida: 36ª edição, 2004
Editora: Ática
Gênero: Romance
Páginas: 207


Sinopse: O cotidiano miserável de uma habitação coletiva em fins do século passado, apresentado com uma objetividade implacável, é o centro da trama de O cortiço. Obra máxima de Aluísio Azevedo, este romance representa a maturidade de um escritor preocupado em registrar e analisar à luz da Ciência as mazelas da sociedade brasileira. Mais do que o tema, é o enfoque crítico e analítico de Aluísio Azevedo (1857-1913) que garante a atualidade de O cortiço. A preocupação social é um traço marcante da obra do autor, que buscava, com aguda capacidade de observação, compreender cientificamente os elementos determinantes da realidade do Brasil. Para sobreviver, Aluísio Azevedo escreveu também romances românticos ao gosto do público da época. oi ainda caricaturista de jornais. Em 1895, abandonou a literatura e ingressou na carreira diplomática.

●●●

Ao iniciar a leitura do livro de um escritor clássico da literatura nacional, nota-se que já tivemos grandes nomes que fazem parte do seleto grupo de escritores das antigas e que os caras eram fora de série. O livro que trago a vocês hoje é nada mais, nada menos que ''O Cortiço'' de Aluísio Azevedo. Para quem não sabe, eu adoro ler livros clássicos, tanto nacionais quanto estrangeiros. Agora, vamos a análise da obra. Começarei, como de costume, falando dos personagens da obra.

Falando sobre os personagens da obra:

João Romão é um típico taverneiro português, ele é dono da pedreira e também do cortiço, sendo ele o capitalista explorador da história. Miranda é um comerciante também de origem portuguesa, ele é o principal opositor de João Romão. Miranda mora em um sobrado aburguesado bem ao lado do cortiço. Piedade, uma mulher que é casada com Jerônimo. Bertoleza, esta é uma escrava cafuza que mora com João Romão, e ela trabalha para ele. Firmo é um mulato capoeirista que se envolve em um caso com Rita Baiana, mulata provocante e também sensual, é ela que promove os pagodes no cortiço. Existem outros personagens secundários para preencher o enredo que é muito rico. Dentre os personagens, o que eu mais gostei foi Rita Baiana, mulher sedutora e atraente, típica figura de mulher brasileira, gostosa com suas curvas e beleza que só a mulher nacional possui. 

Falando sobre a leitura do livro:

Nesse clássico nacional a história se passa no século XIX, onde o Brasil ainda passava por um período de escravidão, muito sofrimento e incertezas sobre o futuro. João Romão — personagem principal — acaba de adquirir uma venda e toca um comércio com sua amante Bertoleza, que na época seria o mesmo que esposa ou mulher, como queiram nos dias atuais. Bertoleza era uma escrava fugitiva de seu real dono por direito. A história tem diversos outros acontecimentos que antecedem o colapso de crise na vila onde vivem os personagens. Imaginem só a situação do século XIX!


Em oposição a João Romão aparece Miranda, um comerciante bem estabelecido que logo cria uma disputa acirrada com o taverneiro por um pedaço de terra que ele desejava comprar para aumentar o seu quintal. Não havendo consenso, há o rompimento provisório de relações cordiais entre os dois. João Romão fica com inveja de Miranda que possui condição social mais elevada, logo trabalha ardorosamente e passa por privações para enriquecer mais que Miranda. No entanto, um fato muda a perspectiva do dono do cortiço. Quando Miranda recebe o título de Barão, João Romão logo entende que não basta ganhar dinheiro, é necessário também ostentar uma posição social reconhecida, adquirir roupas finas, frequentar ambientes requisitados, ir ao teatro, ler romances, ou seja, participar ativamente da vida burguesa. Paralelamente no cortiço estão os moradores de menor condição financeira, como por exemplo Rita Baiana, Jerônimo e Firmo.

Nota-se claramente que o romance mostra a má influência do meio sobre o homem. Jerônimo que possui uma vida exemplar, até cai nas graças da mulata Rita Baiana, dá-se uma transformação no português trabalhador, que então muda os seus hábitos. O cortiço todo também muda, perdendo o caráter desorganizado e miserável para se transformar na Vila João Romão.

Slide com fotos do livro ''O Cortiço'', de Aluísio Azevedo.
Existem outros acontecimentos marcantes nesse romance clássico que o leitor somente saberá quando ler o livro. O que eu posso dizer é que a leitura é prazerosa por demais, é impressionante a capacidade intelectual dos escritores clássicos, não que hoje em dia não haja escritores talentosos, porém em relação a esses antigos, a genialidade era diferente, até por se tratar de outra época. Eu simplesmente sou fascinado por eles.

Meu quote favorito:

''A chuva engrossava. Ele agora, assim debaixo daquele bate-bate sem tréguas, parecia muito menor, minguava como se estivesse ao fogo. Lembrava um rato roendo o pau. Um ligeiro tremor convulsivo era ainda apenas o que ainda lhe denunciava um resto de vida. Os outros três não diziam palavras, arfavam, a bater sempre, tomados de uma irresistível vertigem de pisar bem a cacete aquela trouxa de carne mole e ensanguentada, que grunhia frouxamente a seus pés.''

Finalização:

A capa e a diagramação do livro me agradaram bastante, mesmo sendo em folhas brancas, o que não agrada a alguns leitores, a mim não me incomodou em nada, sendo estas impecáveis. A escrita do autor é sofisticadíssima. Nessa edição a editora fez um excelente trabalho não havendo erros ortográficos. A fonte tem tamanho legível, um trabalho muito competente da editora.

Algumas pessoas simplesmente não gostam de clássicos talvez pelo trauma de suas épocas de colégio, quando eram obrigadas a lerem escritores clássicos, alguns dizem que a linguagem e escrita são difíceis. Para mim não é problema, torna-se um imenso prazer lê-los. A dica que dou é, leiam mais clássicos galera! Se a nossa literatura atual é o que é, dá-se o mérito a eles — os clássicos — que iniciaram tudo naquela época. Podemos notar claramente nesta obra literária grandiosa, temas importantíssimos como crimes, miséria, dilemas sociais, adultério, entre outros. 

Todo brasileiro deveria ler mais clássicos da literatura nacional


Espero que tenham gostado da resenha.

Forte abraço a todos.


Comente com o Facebook:

11 comentários:

  1. Olá Luciano. Bela resenha. Gosto demais desse livro. Raramente leio um livro mais de uma vez, esse já li três vezes, e como você comentou, admiro, também, o talento dos escritores clássicos em criar uma bela trama. Nesse, em especial, admiro os diálogos. Você notou como são naturais? O texto não é enfadonho como vemos em alguns clássicos da nossa literatura. Excelente resenha.

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  3. Grato Ademilson. Dentre os classicos nacionais, este é o que mais me agrada. O enredo é grandioso. Forte abraço!

    ResponderExcluir
  4. A resenha tá fantástica. O Cortiço com certeza faz parte dos cinco primeiros livros - de fato - que li na minha vida. Lembro que foi o professor de português que passou a leitura do bimestre, nisso eu já tinha lido outros clássicos como Meu Pé de Laranja Lima, Dom Casmurro e Memórias Póstumas de Brás Cuba. Por isso, essa leitura é tão marcante pra mim.

    O livro apresenta críticas sociais fortes e representa muito bem esse conjunto de obras clássicas. Adoro leituras desse modelo. Agora fiquei com muita saudade de pegá-lo novamente e relembra-lo por completo.

    A resenha abordou muito bem os pontos primordiais do enredo de Aluísio. Parabéns.

    Valeu!!!

    ResponderExcluir
  5. oi
    eu li esse livro quando estava no ensino médio e dos clássicos que a professora tinha passado, esse foi o único que consegui chegar ao final e gostei muito de ler ele, uma história bem envolvente, ainda quero reler ele.

    momentocrivelli.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  6. Oi Denise! Quando puder releia-o. Forte abraço!

    ResponderExcluir
  7. Oi,

    Amei a resenha, eu lí ele recentemente para um trabalho escolar. Além de achar a escrita fantartica - e um pouco diferente - amei a proposta do livro. É meio triste ler e achar o final digno do homem, de seus caminhos e de sua destruição!

    Abraços...

    http://blogmichaelvasconcelos.blogspot.com.br/?m=1

    ResponderExcluir
  8. Sim Michael, a escrita de Aluísio Azevedo é realmente fantástica. Pros que não estão acostumados a ler livros clássicos, acham a escrita bem diferente. Que bom que a proposta do livro tenha lhe agradado, assim como a resenha. Forte abraço!

    ResponderExcluir
  9. O cortiço, um livro de uma leitura interessante, um omance de cunho Social , tendo como tema, a exploração do homem pelo próprio homem.
    Encontramos o enfoque das patologias sexuais, no qual um homem é prisioneiro dos instintos carnais. Quando li esse livro, fiquei impressionada, pela imagem idealizada, o cenário descrito, toda a sujeira e promiscuidade, e ainda por cima não escondia os nojos e náusea sentido pelo narrador, e isso é próprio do Naturalismo Brasileiro.
    Um livro nos apresenta assuntos diversos a ser debatidos , e vemos que muitas coisas já existiam, e muitos ainda se escandalizam quando vê, ou ouve.
    Muito bom poder voltar no tempo.O livro foi muito bem apresentado. Parabéns!!

    ResponderExcluir
  10. Verdade querida Geane! O livro apresenta muitos assuntos a ser discutidos, inclusive nos dias atuais. É impressionante como o agir, de forma errada pelo homem, vem de tempos atrás, não é de hoje. Como você observou, muito bem, ainda existem pessoas que se impressionam com a maldade, e o agir errado do homem. O livro é fantástico, dentre os clássicos da literatura nacional, este é o que mais me agrada. forte abraço!

    ResponderExcluir
:) :( ;) :D :-/ :P :-O X( :7 B-) :-S :(( :)) :| :-B ~X( L-) (:| =D7 @-) :-w 7:P \m/ :-q :-bd