segunda-feira, 25 de julho de 2016

Essência do amor

Às vezes tenho a impressão de que as pessoas inventaram um conceito de amor e guardaram consigo. As pessoas deixaram de se questionarem sobre o que, de fato, faz do amor, amor. Compreende?

O certo é que é muito difícil querer traduzir o amor em palavras, eu diria até que é impossível. Nós, seres humanos, vamos vivendo o amor, na velha arte de deixar fluir, e deixamos de nos questionar o que estamos fazendo para mantê-lo de pé, justificando-nos com mil e uma bobagens impalpáveis, até de fato nos convencermos de que o amor é aquela coisa abstrata e intocável, perfeito em si mesmo, como o universo que foi criado a partir de sua própria perfeição. Porém o amor, na verdade, é com um instrumento musical que, vez ou outra precisa de reparos, ou substituir a agradável melodia por um ruído que incomoda.

O amor, embora em certo ponto, intraduzível, não pode ser deixado de lado, não pode simplesmente caminhar com as próprias pernas, ser conduzido pelo acaso que, convenhamos, é tão distraído. O amor só é amor se vez ou outra, nos questionamos sobre o que fazemos em nome dele. Sobre o quanto nos esforçamos pela felicidade do(a) outro(a), sobre o quanto damos espaço, preparamos o terreno, fazemos concessões. E a partir daí nos questionamos, sobretudo, se o amor ainda está ali: se nos preocupamos em auferir seus batimentos, conferir se ele respira bem. Se ainda nos traz a mesma emoção, o mesmo formigamento no estômago, a mesma felicidade sutil. Se ainda de fato vale a pena, enfim.


O amor não é amor se você não presta atenção nos sinais que ele próprio te dá, sempre incansavelmente. Se você não investiga minuciosamente o sorriso do(a) outro(a), até ter a certeza de que é verdadeiro e genuíno. Se você não se pergunta se, realmente tudo vai bem. É muito triste pensar que muitos amores quebram por falta de manutenção e cuidado. Deixam de produzir uma bela melodia para emitir ruídos, porque simplesmente não cuidamos dos detalhes.

E o que são as relações amorosas, se não uma imensa junção de detalhes, como uma colcha de retalhos, onde sua beleza mora justamente nos remendos. Quem ama e pensa sobre o ato de amar, acorda e se pergunta: o que eu estou fazendo para que dê certo? Qual foi o último detalhe que eu menosprezei? Quando foi a última vez que eu tornei o dia de quem amo, melhor?

O amor não pertence àquele que simplesmente se habitua. O amor não socorre a quem se distrai. O amor é como uma frágil criança precisando de cuidados, uma planta precisando de água e algumas horas de Sol, um livro que precisa ser relido quando estiver prestes a ser esquecido. Lembre-se, o amor não é nada se dele não fizermos nada. Porque o amor, depois de todas as traduções possíveis que ousamos lhe dar, é o que fazemos dele. Entenda que o amor somos nós.


Comente com o Facebook:

9 comentários:

  1. Excelente pensamento. Como já diria o poeta, 'o amor é um fogo que arde sem se ver, é um contentamento descontente...''

    Na verdade, não há definição para esse sentimento, e quando sentido em uma proporção muito grande, sua essência se espalha o tornando ainda mais intraduzível.

    Valeu, bela escrita.

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  3. O sentimento é inexplicável Leonardo! Forte abraço.

    ResponderExcluir
  4. Oláá Luciano,
    Nossa, que texto mais lindo!!!!
    Amo textos assim no estilo de Carpinejar. haha
    Abraçoos

    ResponderExcluir
  5. Obrigado Eloisa. Agradeço a sua visita e, que bom que você gostou do texto. Forte abraço!

    ResponderExcluir
  6. Uauuuu to dizendo que seus textos são muito reflexivosssss adorooo.

    ResponderExcluir
  7. Obrigado Beta! Fico contente que os meus textos estejam lhe agradando. Forte abraço!

    ResponderExcluir
  8. Que texto lindo, tão bem elaborado. Penso que tuas palavras foram bem utilizadas no que teve as questões do amor. Eu tenho problemas com o amor...Sou muito boa em sentir o outro em cuidar ...mas desde que as relações sejam baseada na troca. Me dou bem com aqueles que amo...mas se por ventura senti que não há mais as emoções...Eu sigo em busca de tais sentimentos. Isso é amor? Eu não sei, só sei que quando digo amar eu devo de fato amar. Mas se não é amor é um sentimento gostoso de sentir...e sinto necessidade de tê- lo por perto. Mas poxa, mais uma vez me surpreendeste. Escreves bem, moço! Fiquei aqui imaginando eu e tu batendo um papo sobre essas questões...iria adorar está em sua companhia pra uma boa discussão. AMEI o texto e já AMO quem escreveu. Meu sentimentos de amor nasce assim. Fico encantada...e admiro e a partir daí se o alimentar vira um sentimento pra toda a vida. Isso é amor meu caro Luciano? 💓❤

    ResponderExcluir
  9. Geane as suas palavras alegram o meu Ser, e são de muita valia para mim. O amor é esse sentimento intenso, e inexplicável, que todo Ser humano, pelo menos uma vez em sua vida, sentirá.Forte abraço.

    ResponderExcluir
:) :( ;) :D :-/ :P :-O X( :7 B-) :-S :(( :)) :| :-B ~X( L-) (:| =D7 @-) :-w 7:P \m/ :-q :-bd