terça-feira, 26 de abril de 2016

Indicação do longa nacional ''Meninos de Kichute''

Olá literários, hoje a postagem é um pouquinho diferente. Quero fazer a indicação de um filme que assisti há duas madrugadas e, embora tenha sido estreado há 5 anos, ainda não tinha tido a oportunidade de conferir na íntegra o resultado da obra cinematográfica. 

''Meninos de Kichute'' é um  longa-metragem brasileiro lançado em 2009 com a direção de Luca Amberg.

O filme é baseado no livro homônimo de Márcio Américo (também co-roteirista), sendo rodado no ano de 2008 em Piracaia, interior do estado de São Paulo. A produção da Amberg Filmes participou da 34° edição da Mostra Internacional de Cinema de São Paulo, entre outros festivais, recebendo o Prêmio do Público na categoria Melhor Filme Brasileiro.

O filme se passa na década de 1970 em um bairro operário do Brasil e mostra a vida de Beto, menino de 12 anos que deseja ser goleiro da seleção brasileira e que entre outras dificuldades da sua vida simples e humilde, o pai de Beto, Lázaro, vê o esporte como algo pecaminoso. Em meio a este ambiente, o menino e seus amigos criam um "clubinho"; o "Meninos de Kichute".


O elenco do filme traz atores já consagrados e conhecidos da telinha nacional como Werner Schünemann (Lázaro), Arlete Salles (Dona Leonor) e Vivianne Pasmanter (Dona Maria). Além destes, completam o time Lucas Alexandre (Beto), Paulo César Pereio (Volpone), Mário Bortolotto (Xaveco) entre outros.
Fonte: Wikipedia

Eu adorei o filme. Como fã de histórias que narrem o percurso de personagens juvenis em sua retratação verdadeira manifestando o empenho por seus sonhos, senti-me atraído por completo ao observar a finalidade do longa. A caracterização ficou perfeita e as gírias, comportamentos e adaptação ficaram maravilhosas. 


O drama do menino Beto é para ser passado adiante. A mensagem exposta é linda demais. O sonho em ser goleiro de futebol trouxe nostálgicas lembranças de minha infância e certamente serve como exemplo para tantos outros meninos de nosso país, que assim como o protagonista, são atingidos pelo amor ao futebol. Além disso, outras importantes questões são levantadas durante a película. A conduta familiar, o alcoolismo, a luta de classes, os reflexos do regime militar, as descobertas e a sucessão humana estão implicadas no roteiro. Como forma de aprendizagem, recordação e fundação ideológica, indico a obra cinematográfica, tenho certeza que aqueles que se identificam com a categoria vão se deleitar. É verdade que não chega a transmitir uma overdose de emoção mas há pontos importantíssimos que são valiosos para o aperfeiçoamento de nossos papéis como seres humanos e cidadãos. O próprio título faz uma crítica indiciosa, entrevendo o verdadeiro motivo do uso do termo 'Kichute', calçado estilo tênis-chuteira, que servia tanto para ir à escola quanto para jogar futebol, os mais antigos sabem do que estou falando. Na época virou febre o uso dos calçados, ter um daqueles era o sonho do momento para cada moleque.



Quanto ao livro  homônimo, já estou providenciando o meu exemplar. Não foi fácil o encontrar à venda em sites e lojas mais comuns mas deixarei o link ao final da matéria caso queiram se dar esse presente. Assim que eu ler a obra literária que inspirou o filme, trarei a vocês uma melhor interpretação do conteúdo.

Sinopse do livro:

Meninos de Kichute é um livro que narra a infância de Beto e seus amigos. Ambientado em Londrina, cidade do interior do Paraná, na década de 70, o autor narra de forma poética, lírica, bem humorada e por vezes triste, o dia a dia de um menino pobre e sua forma de burlar esta condição através da criatividade. A família, a escola, o bairro, os campinhos de terra compõem o universo destes meninos de Kichute que, na verdade, pode ser o universo de todos nós, afinal de contas as infâncias são todas muito parecidas. Mas, longe de ser apenas um livro de memórias, ele tem como pano de fundo a luta de classes. Os olhos do menino narrador estão sempre apontados as diferenças: a rua de baixo e a rua de cima, os que vão de carro e os que vão a pé e, finalmente, a progressão social manifesta nos calçados: Kichute, Conga, Chinelos e Descalços.

Termino a matéria de hoje lembrando a frase do poeta curitibano Thadeu Wojciechowski: a infância agora tem um nome: Meninos de Kichute. 

Quem quiser ver o filme, basta clicar aqui para ser direcionado ao YouTube ou assisti-lo diretamente na incorporação abaixo:


O livro esta à venda no site da Editora Minuano e o valor normalmente é R$ 14,99. Você pode ir direto ao link de compra clicando no ícone abaixo.



Deixo a vocês um forte abraço e espero que tenham gostado dessas indicações no #ML. 

Valeu e até a próxima.


Comente com o Facebook:

8 comentários:

  1. Gostei da sua indicação Leonardo. Providenciarei o exemplar do livro. O filme deixarei pra nova geração que normalmente tem preguiça e ou não gosta de ler. Forte abraço.

    ResponderExcluir
  2. Interessante!! Uma novidade no Marcas Literária, penso que é um assunto de extrema importância para os amantes do cinema. O filme parece de fato encantador. Gostei Léo! Continue postando as indicações. O Marcas Literárias está de parabéns pela belíssima iniciativa👏👏❤

    ResponderExcluir
  3. Luciano, também comprarei o livro, ele vai pular a fila e passar na frente de alguns outros da lista, rs.

    Quanto ao filme, é o máximo! Bem reflexivo. Adorei. Mesmo se passando em uma época bem distante da nova geração, acredito que eles gostarão.

    Um forte abraço! B-)

    ResponderExcluir
  4. Geh, que legal que tenha gostado dessa novidade no #ML. Inovar é sempre bom, criatividade e assuntos são o que nunca irão faltar-nos.

    O filme, de fato é encantador. Qualquer hora dessas veremos :P

    Beijos e obrigado. :D :D

    ResponderExcluir
  5. Já li esse livro e fiquei curioso para ver o filme. Que bom que você postou o link,não sabia que estava disponível no youtube rsrs Assim que tiver um tempinho quero ver. Gosto dessas histórias que nos remetem à infância. Grandes atores no elenco hein?

    ResponderExcluir
  6. Amigo Ademilson, geralmente começo pelo livro para depois ver o filme, mas nesse caso, fiz o processo inverso. Confesso que gostei mesmo do filme e resolvi indicá-lo. O elenco está top.

    Abraços e obrigado pela visita.

    ~X(

    ResponderExcluir
  7. Léo adorei, adorei e adorei. Vou assistir agora, filme emocionante e como vc disse " os mais antigos sabem do que estou falando. Na época virou febre o uso dos calçados, ter um daqueles era o sonho do momento para cada moleque". Sou desta época e me lembro bem não usei porque era masculino mas usei muito sua irmã a conga. Parabéns Léo amei a indicação.

    ResponderExcluir
  8. Luh, adoro sua visita. Obrigado por sua opinião. Que bom que curtiu a indicação do filme. Quando assisti-lo, diga o que achou.

    Beijos.

    ResponderExcluir
:) :( ;) :D :-/ :P :-O X( :7 B-) :-S :(( :)) :| :-B ~X( L-) (:| =D7 @-) :-w 7:P \m/ :-q :-bd