quinta-feira, 25 de fevereiro de 2016

Informativo: O direito de matar mulheres?

Olá meus amigos, hoje quero compartilhar com vocês no #ML um informativo Grupo Avaaz que recebi por Email. O texto é muito interessante, uma veracidade. Refleti por vários minutos sobre o acontecimento e precisava vir deixar uma pequena mensagem ao término.


Queridos amigos de todo o mundo, 
Saba se casou com o homem que amava. Contrariado, seu pai lhe deu um tiro na cabeça, colocou ela num saco e jogou seu corpo no rio. Ele se safou, pois uma brecha na lei paquistanesa permite aos homens cometerem os chamados "crimes de honra". Incrivelmente, Saba sobreviveu e sua história se tornou um exemplo para acabarmos com essa monstruosidade. Temos quatro dias para ajudá-la! 
A história de Saba virou documentário e foi indicado ao Oscar, conquistando a imprensa. Em resposta, o primeiro-ministro paquistanês Nawaz Sharif prometeu acabar com estes crimes hediondos, e fontes dizem que ele instruiu sua filha Maryam, a nova face de seu partido político, a tomar a frente da mudança da lei. 
Uma mulher é morta a cada 90 minutos em algum lugar do mundo por crimes de honra. Embora o Paquistão tenha aprovado uma lei em 2014 contra estes homicídios, 70% dos criminosos no país saem ilesos por conta de uma brecha na lei. 
Se uma mulher for vista "envergonhando" sua família, recusar um casamento arranjado, olhar para alguém por "tempo demais" ou mesmo se for estuprada, um homem pode matá-la se um membro da família perdoá-lo pela morte! Mas não há honra em matar uma mulher – estes homens vêem as mulheres apenas como sua propriedade. A brecha do "perdão" protege esse direito absurdo.  
Um projeto de lei para acabar com tal brecha já tinha sido apresentado, mas não foi adiante pois não havia apoio de um parlamentar influente do governo. Mas o primeiro-ministro, que nunca fez nada pelo tema antes, prometeu reformas na lei para acabar com os crimes e envolveu sua filha, considerada herdeira do partido político do pai. Obviamente vai haver oposição, mas especialistas dizem que se colocarmos o Paquistão sob os holofotes da comunidade internacional conseguiremos dar à Saba, à Maryam e às ativistas feministas em todo o país, o apoio que elas precisam para mudar o sistema. 

Fiz-me bastante pensativo quanto a realidade apresentada no texto do grupo Avaaz. Percebo que nós temos tantas virtudes em nosso país, em nossas vidas, méritos em relação a cultura e escolhas mas, em inúmeras vezes, decidimos reclamar da vida e agir de forma contrária ao nosso próprio bem enquanto pessoas nos outros cantos do mundo não podem se contentar com essa liberdade de escolha individual que aqui nos é permitido.  A mulher, principalmente, ainda é bastante desvalorizada no mundo, isso ainda é realidade e é uma pena, é lamentável.

O processo de igualdade humanitária ainda não chegou em seu maior nível, talvez isto ainda esteja longe de acontecer ou quem sabe, nunca aconteça. Mas prefiro acreditar que algo de bom ainda pode vir à tona. O mundo realmente se perde a cada dia mas ele pode ser bom, e é bom quando fazemos algo de bom. Nossas atitudes podem não mudá-lo por completo, mas é certo que pode acarretar aos que nos rodeiam, uma propícia mudança, para melhor ou pior, isso dependerá da postura que cada um deseja apresentar diante de cada situação.

Muitos podem não ter escolhas, de fato, mas nós ainda podemos, e mesmo assim, às vezes, desistimos de lutar. Vale realmente apena desistirmos da vida enquanto muitos ainda lutam por ela?

Fonte:
http://www.avaaz.org/po/


Comente com o Facebook:

16 comentários:

  1. Nossa Léo, ao mesmo tempo que a história é incrível, consegue ser revoltante tmb. Estou lendo o livro da Malala, a garota de dezesseis anos que foi baleada na cabeça porque defendia o direito das meninas estudarem no Paquistão. O livro mostra com clareza esse lado que voce relatou. Muito bom mesmo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Érica, foi bom eu ter vindo compartilhar esse pensamento. É um assunto importante demais.

      Nossa, obrigado, essa citação desse livro veio a calhar. Vi algo sobre ele esses dias. Vou procurar mais informações depois.

      Beijos e obrigado pela visita.

      Excluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  4. O texto e principalmente sua reflexão brilhante sobre ele me deixaram bastante pensativo também. O desfecho inteligente que culminou com a questão "Vale realmente a pena desistirmos da vida, enquanto muitos ainda lutam por ela?" é bastante forte.
    Fico pensando que não nos atentamos apenas a vida de nossos irmãos, mas costumamos desvalorizar nossas próprias vidas e fazemos coisas que prejudicam nosso corpo e alma. É notório que seres humanos desperdiçam seu tempo com leituras fúteis ou músicas vazias que de nada servem para elevar sua alma. É visível que deixamos de cuidar de nossa saúde corporal e estragamos nosso organismo com alimentos cheios de conservantes. Entre escolher um alimento saudável e um saboroso cheio de elementos prejudiciais ao corpo, optamos pelo sabor que traz um prazer passageiro. Além disso, temos o sedentarismo, os vícios tão destruidores da vida. Também quantas vezes, diante de uma doença grave, entregamos os pontos e desistimos de lutar pela nossa vida. Somos apressados em declarar nossa condenação à morte.
    Enfim, somos imensamente falhos e precisamos dar um maior valor àquilo que chamamos de VIDA.
    Forte abraço e muito obrigado pelo informativo e sua excelente reflexão sobre ele.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Amigo, belo pensamento o seu. Realmente é assim mesmo que os seres humanos agem. Optam por escolhas, que as vezes, não são as melhores. Devemos ser mais atentos a muitas questões. Temos, muitas vezes, tantas coisas que outros não podem ter.

      Um forte abraço.

      Excluir
  5. Cara, curti muito esse teu post, parabéns por dar destaque à uma questão tão importante aqui!
    Esse é um tema que, realmente, merece o máximo de destaque que pudermos dar, pois precisamos discuti-lo até esgotar (o que ainda vai demorar bastante). Talvez na bolha fechada da classe média brasileira muitas pessoas ainda não consigam enxergar, mas a luta feminista, infelizmente, ainda é extremamente necessária no mundo.

    Abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom que gostou Tisa. É isso mesmo, você citou uma coisa muito importante. Muitas pessoas ainda não enxergam essa situação.

      Excluir
  6. Seu texto merece nota 10 amei, é um alto reflexo que também pode chamar atenção das pessoas isso é maravilhoso demais.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Beta, achei extremamente importante compartilhar esse pensamento com vocês. Que bom que realmente teve serventia. Fico feliz.

      Excluir
  7. Léo parabéns tema interessantíssimo. Sou indignada com o que acontece em vários lugares pelo mundo. A mulher é tratada como objeto (não pode nada: pensar, sonhar, querer, viver).
    Beijos!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verdade Luh, que bom que foi um texto que levou aos leitores, reflexões.

      Beijos.

      Excluir
  8. O Brasil é uma merda! É fato, mas se olharmos com atenção e analisarmos outros paises como Paquistão, O Brasil passa a ser praticamente um PARAÍSO nesse mundo chamado TERRA. De fato a mulher ganhou muitos direitos num mundo cada vez mais globalizado e conectado, porém o que ocorre nesse país chamado Paquistão é o cúmulo da ignorância e desrepeito com as mulheres. É um absurdo!

    ResponderExcluir
  9. Isso é mesmo um absurdo Luciano, achei o pensamento muito bom para ser debatido. Obrigado pelo comentário.

    ResponderExcluir
  10. Realmente, foi um texto bastante reflexivo.Infelizmente em todo o mundo ainda existem homens com uma mentalidade arcaica que acham que suas esposas são propriedades particulares, como se fossem um objeto inanimado e que podem maltratá-la. Triste realidade.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Homens e suas leis, sempre garantindo-lhes privilégios. Sempre dilacerando pessoas e países. Onde iremos parar?

      Excluir
:) :( ;) :D :-/ :P :-O X( :7 B-) :-S :(( :)) :| :-B ~X( L-) (:| =D7 @-) :-w 7:P \m/ :-q :-bd